Conexão MT

As Notícias se Encontram Aqui!

BNDES adia prazo para nacionalizar produção

BNDES adia prazo para nacionalizar produção
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real CLICA AQUI

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) adiou exigências de nacionalização para liberar crédito à compra de veículos elétricos dentro da linha especial que financia máquinas e equipamentos de baixa emissão de poluentes, o Finame Baixo Carbono. Com a flexibilização das regras, as montadoras terão até 2029 para alcançar o índice mínimo de 50% de conteúdo local exigido para ter acesso à linha. Pelo regulamento antigo, esse porcentual seria cobrado três anos antes.


A revisão dos prazos foi justificada pelo banco pelos atrasos no desenvolvimento dos produtos decorrentes das restrições da pandemia. “Com a pandemia, os planos de desenvolvimento e as estratégias das empresas foram impactadas. O regulamento ficou descalibrado com o tempo de desenvolvimento”, explicou Martha Madeira, gerente responsável pelo credenciamento de equipamentos do BNDES, durante apresentação em evento da Anfavea, a associação que representa a indústria nacional de veículos.

A transição na nacionalização dos carros elétricos deve acontecer em três fases. Até dezembro de 2024, os carros elétricos ou híbridos seguirão contando com acesso à linha se tiverem apenas 5% de conteúdo local. Depois disso, o porcentual exigido sobe para 15%, dobrando para 30% nos últimos dois anos de transição (2027 e 2028).

A linha do BNDES financia para empresas e pessoas físicas até 100% do valor de máquinas de baixa emissão, incluindo motores movidos a biocombustível e a gás.

O limite de financiamento é de R$ 20 milhões, sendo que cada tomador do crédito pode obter no máximo R$ 150 milhões em diferentes operações. O prazo é de dez anos, com até dois anos de carência a depender das condições colocadas pelo banco repassador, que assume o risco da operação. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários