Conexão MT

As Notícias se Encontram Aqui!

Bolsonaro deve encontrar Orbán, líder ultranacionalista da Hungria

Bolsonaro deve encontrar Orbán, líder ultranacionalista da Hungria
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real CLICA AQUI

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) – O presidente Jair Bolsonaro (PL) deve realizar uma visita à Hungria para um encontro com o líder ultranacionlista do país, Viktor Orbán. A passagem do brasileiro por Budapeste está sendo organizada para ocorrer após a agenda em Moscou, em meados de fevereiro.

Orbán, com histórico de atuar contra a oposição e a imprensa local, é referência para aliados do mandatário brasileiro, entre eles o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP). Ele é considerado hoje um dos principais líderes da ultradireita na arena internacional, ao lado do próprio Bolsonaro.

O líder húngaro chegou ao poder em 2010 e promove a defesa do que chama de valores conservadores cristão. Tem ainda uma forte agenda contra a imigração e atuou para limitar direitos de homossexuais. A ofensiva de Orbán contra direitos LGBTQIA+ o colocou ainda em rota de colisão com órgãos da União Europeia.

Além do encontro de dois líderes politicamente alinhados, a expectativa da diplomacia brasileira é tentar usar a viagem para ampliar exportações na área de defesa para o país europeu. A Hungria foi um dos países que assinou contrato para compra da aeronave militar KC-390, da Embraer.

Interlocutores também destacam que o país, dentro da União Europeia, apoia reivindicações do Brasil como a ratificação do acordo comercial assinado pelo bloco com o Mercosul. Os húngaros também endossam o pleito brasileiro de ingressar na OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico), uma espécie de clube dos países ricos.

Em entrevista no Palácio do Planalto nesta quarta-feira (19), Bolsonaro disse que também poderia realizar agenda na Polônia. Interlocutores consultados pela reportagem, no entanto, ressaltaram que a passagem por esse país ainda não está fechada.

Bolsonaro também negou que sua ida a Moscou possa criar algum tipo de incômodo com países da OTAN (Organização do Tratado do Atlântico Norte), uma vez que a Rússia é acusada pelos Estados Unidos de estar planejando uma invasão da Ucrânia.

“O Itamaraty vê essa questão aí. A gente não está saindo do Brasil para criar problemas, animosidade. Sabemos dos problemas de alguns países com a Rússia, sabemos disso aí”, disse Bolsonaro.

“A Rússia é um parceiro nosso. Temos compra aí de fertilizantes, inclusive potássio e outras coisas. Então é uma vigem que interessa para nós e para eles. O convite veio deles, e se aceitamos é porque nós temos interesse. Se eles convidaram, é porque têm interesse também”, acrescentou.

Comentários