Conexão MT

As Notícias se Encontram Aqui!

Estresse da pandemia pode reativar herpes nos olhos

Estresse da pandemia pode reativar herpes nos olhos
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real CLICA AQUI

A pandemia provocou mudanças na rotina de toda a população. Resultado: aumentou em 90% os casos de depressão, dobrou o estresse agudo e a ansiedade segundo artigo publicado no portal da Fiocruz.


Paralelamente, a OMS (Organização Mundial da Saúde) estima que duas em cada 3 pessoas no mundo são portadoras do vírus herpes simples tipo 1, HSV-1 que geralmente afeta um dos olhos, podendo também causar inchaço e bolhas doloridas ao redor dos lábios. Segundo o oftalmologista Leôncio Queiroz Neto do Instituto Penido Burnier e membro do CBO (Conselho Brasileiro de Oftalmologia) o HSV-1 geralmente é contraído na infância pelo contato com a secreção de uma pessoa contaminada.

Sintomas e fatores de risco

O vírus, comenta, tem mais de 80 cepas diferentes, mas todas se alojam em uma terminação nervosa onde ficam encubadas até serem reativadas. A reativação geralmente acontece durante a exposição prolongada ao sol, situações de queda da imunidade, após traumas cirúrgicos, estresse físico ou mental. Por isso, Queiroz Neto alerta que a pandemia pode reativar a manifestação do herpes nos olhos de pessoas que têm o vírus latente.

Os sintomas são conjuntivite e inflamação recorrente na córnea, lente externa do olho que vai se tornando cada vez mais frágil, vermelhidão, coceira, sensibilidade à luz, dor, sensação de corpo estranho e formação de pequenas vesículas ao redor dos olhos. O problema, comenta, é que inicialmente algumas pessoas têm surtos sem sintomas e quanto antes é iniciado o tratamento maiores são as chances de preservar a visão.

Tratamento

O oftalmologista afirma que o tratamento é feito com medicamentos antivirais que podem ser combinados com corticoide, mas quem tem a doença não deve aplicar qualquer colírio no olho sem acompanhamento médico. Este foi o caso de uma paciente que há algum tempo teve uma crise herpética, instilou colírio por conta própria e chegou ao consultório com o olho perfurado. Para salvar a visão da paciente Queiroz Neto remendou a córnea perfurada com cola de cianoacrilato. “Escolhi esta técnica porque permite selar o olho sem perder o sinal de perfuração da córnea que prioriza o transplante. Ao mesmo tempo serve de apoio para o crescimento de tecido cicatricial sobre a área perfurada, retarda a necrose e tem ação bactericida”, explica. Outra alternativa cirúrgica seria o transplante tectônico ou recobrimento conjuntival, espécie de curativo biológico feito com uma córnea que posteriormente é descartada por não ser apropriada para restituir a visão. O problema, comenta, é que o transplante tectônico é mais invasivo, aumenta o risco de surgir catarata,reação inflamatória e a recuperação demora de seis a oito meses, período em o olho todo branco desfigura o paciente. A selagem com cola permitiu o transplante da córnea cinco dias depois e a paciente pode retornar às atividades profissionais, salienta.

Prevenção

A dica de Queiroz Neto para prevenir a reincidência das crises herpéticas é incluir na alimentação carne, peixe, leite, ovos e queijos. Isso porque, contêm lisina que tornam o portador mais resistente ao vírus. Por outro lado, comenta, quem é portador do vírus deve evitar comer amendoim, chocolate,, passas, gelatina, cereais e passas estimulam a replicação do herpes por conterem outro aminoácido, a arginina, conclui.

Comentários