Conexão MT

Notícias de Mato Grosso e do Mundo

Lógica do Orçamento é reeleger Bolsonaro ‘a todo custo’, diz Ivan Valente

Lógica do Orçamento é reeleger Bolsonaro 'a todo custo', diz Ivan Valente
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real CLICA AQUI

Com a verba para investimentos públicos no menor nível da história e sem veto ao fundo eleitoral e ao orçamento secreto, a lógica da peça orçamentária sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro (PL) é tentar reelegê-lo “a todo custo”, avalia o deputado Ivan Valente (PSOL-SP) ao Broadcast Político.


Nesta segunda-feira, 24, o Orçamento de 2022 foi publicado no Diário Oficial da União (DOU), com vetos que somam R$ 3,184 bilhões, entre emendas de comissão e despesas discricionárias. Os valores de R$ 16,48 bilhões para o orçamento secreto e de R$ 4,96 bilhões para o fundo eleitoral, contudo, foram mantidos, assim como o montante de R$ 1,7 bilhão para o reajuste de servidores públicos federais.

“Tudo isso corrobora com a ideia de que ele quer se eleger a qualquer custo e, ao mesmo tempo, manter a base dele a qualquer custo. Isso não significa que não haverá desgaste na sociedade”, diz Valente.

Para o parlamentar, Bolsonaro não vetaria, por exemplo, o dinheiro reservado para reajustes de salário, prometido para policiais federais, porque precisa manter essa base eleitoral “fiel”. “Mesmo tendo uma greve geral do funcionalismo marcada, com a insatisfação do resto dos servidores, ele quer alastrar também o aumento aos policiais para os governadores. Ele não voltaria atrás”, afirma o deputado.

Valente, no entanto, avalia que pode haver desgaste para o governo, já que a verba para investimentos federais vai cair ainda mais e ficar em R$ 42,3 bilhões em 2022, o menor nível da história. “Você não tem investimento público para alavancar a economia, para gerar emprego, distribuição de renda, de um lado. De outro lado, ele também perde com o mercado financeiro”, diz, em referência à Proposta de Emenda à Constituição (PEC) dos Precatórios, que abriu um espaço fiscal de mais de R$ 106 bilhões neste ano.

Comentários