Conexão MT

Notícias de Mato Grosso e do Mundo

Pré-candidato, ministro Fábio Faria privilegia RN em programa de internet grátis

Pré-candidato, ministro Fábio Faria privilegia RN em programa de internet grátis
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real CLICA AQUI

Em pré-campanha ao governo do Rio Grande do Norte, o ministro das Comunicações, Fábio Faria (PSD), decidiu privilegiar seu reduto eleitoral em um dos principais programas da pasta. Ele escolheu as 23 estações de trem que ligam a capital do Estado, Natal, à região metropolitana para receber pontos de acesso à internet do projeto Wi-fi Brasil, que ainda não havia beneficiado nenhuma unidade de transporte público do País.


Como revelou o Estadão em setembro, usuários do programa em escolas eram obrigados a assistir a uma propaganda sobre benefícios sociais da gestão do presidente Jair Bolsonaro a cada vez que se conectavam à rede. A estrutura instalada nas estações de trem em Natal também exigirá audiência cativa aos conteúdos institucionais do governo federal. Funciona assim: se o usuário precisar entrar na internet cinco vezes ao dia, ele vai ter de assistir à propaganda cinco vezes. Se demorar para usar, a rede desconecta e tem de assistir de novo.

“O programa Wi-Fi Brasil prevê, no projeto básico da implantação de pontos de acesso gratuito à internet em localidades públicas, a visualização de um vídeo de 10 segundos para divulgação das políticas públicas do governo e de informações de utilidade pública, como previsto no Decreto 6.555/2008, da Constituição, e na Instrução Normativa Secom 02/2018. Todos os usuários dispõem das mesmas condições de uso para acesso ao programa”, disse o Ministério das Comunicações, em nota. Segundo a pasta, a instalação nas estações de Natal vai custar R$ 358,8 mil ao ano.

Questionado sobre o motivo de apenas Natal receber o programa nas estações de trem, o Ministério das Comunicações disse que ainda estuda a possibilidade de fazer instalações do projeto em VLTs de outros Estados, mas não explicou quais critérios foram utilizados para a escolha do domicílio eleitoral de Faria como pioneiro.

Para o diretor executivo da Transparência Brasil, Manoel Galdino, a imposição do vídeo viola o princípio constitucional da impessoalidade e configura abuso de poder por parte do governo, que se beneficia eleitoralmente da medida. “Nesse caso, a prestação de um serviço público está condicionada à audiência a uma propaganda. Imagine, se para ter acesso a uma escola ou ser atendido em um hospital fosse preciso assistir um vídeo falando bem do governo. Isso também dá vantagem eleitoral, porque a oposição não tem os mesmos meios de fazer campanha”, afirmou.

Segundo Galdino, a fundamentação da escolha da capital potiguar deve ser pública, para que possa haver fiscalização de órgãos de controle, como o Tribunal de Contas da União (TCU). “Alocar recursos públicos deve sem critérios ou transparência é temerário, O TCU pode fazer uma auditoria e, se entender que os motivos para o investimento não atendem o interesse público, determinar a reformulação ou até a suspensão da política.”

De acordo com os dados oficiais, o Wi-fi Brasil já incluiu 8,5 milhões de brasileiros no universo digital, ambiente no qual a base orgânica do bolsonarismo tem forte presença. A maior parte das instalações se concentra no Norte e no Nordeste, regiões onde Bolsonaro enfrenta índices menores de intenção de votos para sua reeleição, segundo pesquisas de intenção de voto.

O chefe do Executivo planeja viagens aos Estados do Ceará e da Paraíba em fevereiro. O Nordeste é a única região do País onde o candidato petista à Presidência da República em 2018, Fernando Haddad, venceu Bolsonaro.

Após a reportagem do Estadão revelar a exigência aos usuários do programa Wi-Fi de assistir à publicidade oficial, partidos de oposição entraram com representações no Ministério Público contra Bolsonaro por propaganda eleitoral antecipada.

Pré-candidato

Faria tem intensificado ataques à atual governadora do Estado, Fátima Bezerra (PT), contra quem deve disputar o cargo nas próximas eleições. “Deixou as crianças um ano e meio sem estudar. Ela é professora. O Hospital Walfredo Gurgel é um caos. Todo dia há assassinatos, mortes, explosão de farmácias”, disse em entrevista ao Sistema Tribuna no último domingo (16).

Na disputa de 2018, a petista derrotou o pai do ministro, o ex-governador Robinson Faria, que concorria à reeleição. Ela rebateu as críticas por meio de nota na qual diz que a gestão anterior à sua foi responsável pelos maiores índices de violência da história do estado e quatro folhas de pagamento de servidores atrasadas.

Faria fez coro aos apelos de Bolsonaro pela reabertura da economia durante a fase aguda da pandemia do novo coronavírus. Também apoiou o que considerava “liberdade dos médicos” para prescrever medicamentos sem eficácia comprovada contra a covid-19.

“A atual gestão seguiu as orientações do Comitê Científico e dialogou com os órgãos de controle quanto à definição do momento adequado e seguro para o retorno de crianças, jovens e adultos às escolas, adequando-as às medidas sanitárias preconizadas pelas autoridades em saúde. Ao contrário da gestão negacionista a qual o ministro pertence e defende, causadora, por falta de atitude e decisão firme, de tantas perdas durante a pandemia de Covid-19”, disse o governo do Rio Grande do Norte em nota.

Comentários