Conexão MT

As Notícias se Encontram Aqui!

Após deixar PL devido a Bolsonaro, vice da Câmara confirma filiação ao PSD

Após deixar PL devido a Bolsonaro, vice da Câmara confirma filiação ao PSD
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real CLICA AQUI

BRASÍLIA, DF (UOL-FOLHAPRESS) – Após deixar o PL por não concordar com a chegada do presidente Jair Bolsonaro ao partido, o primeiro vice-presidente da Câmara dos Deputados, Marcelo Ramos (AM), confirmou nesta quinta-feira (3) que vai se filiar ao PSD, comandado por Gilberto Kassab.


“Em conversa, ontem com o presidente do PSD, Gilberto Kassab, e o líder do partido, deputado Antonio Brito (BA), decidi pela minha filiação à agremiação. Será efetivada na semana que vem. Agradeço a confiança de todos do partido, em especial, do senador Omar Aziz (AM) e do deputado Sidney Leite (AM)”, disse Ramos, em nota.

A filiação de Ramos ao PSD está prevista para acontecer na próxima terça-feira (8).

Segundo Antonio Brito, o PSD agora contará com 36 deputados federais. No Senado são 11 parlamentares, incluindo o presidente da Casa, Rodrigo Pacheco (MG).

Saída do PL após chegada de Bolsonaro

Marcelo Ramos chegou à vice-presidência da Câmara apoiando o presidente da Casa, Arthur Lira (PP-AL), em fevereiro de 2021, numa articulação que contou com o aval do governo federal.

No entanto, nos últimos meses, Ramos se afastou de Bolsonaro e virou opositor ferrenho do presidente da República.

As divergências são por motivos tanto ideológicos, como em relação à condução do governo federal no enfrentamento à pandemia, quanto locais. Ramos não concorda, por exemplo, com medidas econômicas da gestão Bolsonaro que podem prejudicar empresas na Zona Franca de Manaus, a seu ver.

Quando Bolsonaro se filiou ao PL em novembro do ano passado, a situação ficou insustentável, inclusive dentro do partido.

Após conversas com Valdemar Costa Neto, as partes concordaram que sua permanência no partido seria “incompatível” e Ramos acertou a sua saída da legenda. Segundo ele, o divórcio foi “amigável”.

Comentários