Conexão MT

Notícias de Mato Grosso e do Mundo

Droga contra câncer consegue expulsar HIV dormente de células, diz estudo

Droga contra câncer consegue expulsar HIV dormente de células, diz estudo
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real CLICA AQUI

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – O uso de uma droga indicada para tratamento contra câncer teve sucesso em expulsar o vírus HIV dormente de células de pacientes vivendo com o patógeno.


O imunoterápico, chamado de pembrolizumabe, teve sucesso em reverter o processo de latência do HIV em células de pessoas com câncer que fazem uso de coquetéis antirretrovirais e possuem carga viral controlada –isto é, abaixo dos níveis que podem levar ao desenvolvimento de Aids.

Com a expulsão do vírus HIV no citoplasma, as células de defesa puderam identificar o vírus latente e agir na morte celular das mesmas. A pesquisa é um passo adiante na busca por drogas capazes de atacar células infectadas pelo vírus no organismo, um dos principais desafios para a criação de uma vacina contra Aids.

O estudo foi publicado na revista especializada Science Translational Medicine no último dia 26 e contou com pesquisadores dos Estados Unidos, Canadá e Austrália.

Para identificar a ação do medicamento, o ensaio clínico incluiu 32 voluntários, dos quais 29 (91%) possuem carga viral indetectável e apenas três (9%) possuíam nível viral acima do limite de detecção.

A droga age na liberação de moléculas anti-PD-1, sigla para proteína 1 programadora de morte celular. Essa proteína inibe a ação de células de defesa T (como CD4+ e CD8+, responsáveis por atacar patógenos e células tumorais), capazes de identificar o vírus invasor.

Algumas células T possuem longa vida e “guardam” o vírus HIV por anos. Portanto, ao se ligar nessas moléculas, o anticorpo monoclonal pode ajudar o organismo a identificar as células infectadas e atacá-las.

Cada um dos voluntários recebeu um ciclo de terapia e foi avaliado a cada três semanas para determinar a quantidade de células T e de material genético do HIV após o tratamento.

Após oito dias do primeiro ciclo, a quantidade de fragmentos do RNA viral detectados aumentou 1,32 vezes, ou seja, a droga teve sucesso em “expulsar” o vírus dormente das células. Esse número chegou a 1,6 vezes maior a partir do 22º dia, quando começou o segundo ciclo.

Além disso, após seis ciclos, ou 126 dias, a quantidade de células T com vírus detectável aumentou 1,44 vezes, sugerindo que o tratamento teve sucesso em reverter a inibição das células de defesa e tornar “visível” as células com vírus dormente.

O estudo, porém, conclui que ainda são necessários ensaios com um número maior de indivíduos para determinar qual seria a dose ideal de pembrolizumabe para reverter a dormência do vírus e ao mesmo tempo restringir os efeitos colaterais do imunoterápico.

Sharon Lewin, diretora do Instituto Peter Doherty de infectologia e imunologia e professora de medicina na Universidade de Melbourne e autora sênior da pesquisa, diz que a possível toxicidade de tratamentos para eliminar o HIV do organismo segue sendo o principal foco de investigação do grupo.

“Nós continuamos vigilantes e alertas com qualquer toxicidade que intervenções para uma possível ‘cura’ do HIV pode causar em pessoas que são indetectáveis para o HIV, porque a qualidade de vida e a expectativa dessas pessoas é hoje muito elevada”, afirma.

“Assim, o próximo passo é determinar uma dose reduzida de anti-PD-1 que pode ser usada para atingir o mesmo efeito no vírus, não apenas nas células T.”

A descoberta do mecanismo, no entanto, não significa um possível alvo para o desenvolvimento de uma vacina contra o HIV, porque o anticorpo anti-PD-1 não possui ainda o seu papel bem definido na resposta imune inicial. Alguns modelos animais mostraram que esse pode ser um caminho, mas estudos em humanos maiores ainda são necessários.

As pesquisas para tratamento e possível cura do HIV, no entanto, avançaram muito nos últimos anos, especialmente com o advento da tecnologia de mRNA, como a utilizada nas vacinas contra a Covid-19.

Segundo Lewin, uma nova geração de drogas para expulsar o HIV das células podem inclusive se beneficiar do estado da arte de terapia gênica ou de vacinas de mRNA.

“Há também um enorme interesse em utilizar essas drogas [do estudo] em combinação com outras. No fim, nós não acreditamos que essa estratégia sozinha irá ajudar a atingir a ‘cura’ do HIV”, diz.

“Drogas que eliminam o vírus do organismo precisam ser combinadas com intervenções que matam especificamente as células infectadas. Essa combinação de métodos contra o HIV está no momento sendo investigada em outros modelos animais”, completa.

Comentários