Conexão MT

As Notícias se Encontram Aqui!

Grito homofóbico pode banir torcedor dos estádios do México por cinco anos

Grito homofóbico pode banir torcedor dos estádios do México por cinco anos
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real CLICA AQUI

A Federação Mexicana de Futebol (FMF) implementou uma nova medida para combater os gritos homofóbicos nas arquibancadas, um problema recorrente no país. Agora, quem for pego praticando a ofensa não poderá entrar nos estádios operados pela entidade por cinco anos. A ação será testada nos próximos dois jogos do México nas Eliminatórias da Copa do Catar, contra Costa Rica, no domingo, e Panamá, na quarta-feira.


Para fazer o monitoramento dos torcedores, a FMF determinou a presença de apenas 2 mil pessoas no tradicional estádio Azteca. A entidade vai identificar cada um dos presentes através da coleta de dados pessoais e informações disponibilizadas para a compra dos ingressos. Um código QR impresso no bilhete permite a identificação de um eventual infrator.

Esse monitoramento rigoroso evitou que o time mexicano jogasse dois jogos com portões fechados, como a Fifa havia ordenado inicialmente. Para o jogo contra os Estados Unidos, marcado para o dia 24 de março, a medida será testada com um público entre 35 mil e 40 mil torcedores.

O grito “puto” (“bicha”, em tradução livre) começou há mais de 20 anos no México como forma de zombar dos goleiros adversários no lance de tiro de meta. O Conselho Nacional de Prevenção à Discriminação (Conapred) do país rejeitou o gesto, enquanto a Suprema Corte determinou que as expressões que buscam “inferir que a homossexualidade não é uma opção sexual válida, mas sim uma condição de inferioridade, constituem manifestações discriminatórias”.

“Não podemos tolerar atos discriminatórios, não podemos jogar em estádios vazios, não podemos colocar as autoridades do futebol em risco de tirar pontos de nós”, disse Yon de Luisa, presidente da FMF, preocupado com a imagem do México como organizador da Copa do Mundo de 2026 junto com Canadá e os Estados Unidos.

Nos últimos anos, no entanto, a ofensa começou a gerar um desgaste da FMF com a Fifa. Gianni Infantino, presidente da entidade máxima do futebol, disse que os torcedores que insistem em emplacar o grito homofóbico têm “posturas de idiotas”.

A Fifa já emitiu advertências, vetos e sanções econômicas à FMF. Ao todo, a federação acumula dezessete multas, com um valor total de US$ 656,4 mil (R$ 3,4 milhões). A entidade teme ainda que, caso os gritos não cessem, a seleção perca pontos e fique fora da Copa do Mundo do Catar.

Comentários