Conexão MT

Notícias de Mato Grosso e do Mundo

Ômicron causa aumento de atendimentos por laringite infantil em hospital nos EUA

Ômicron causa aumento de atendimentos por laringite infantil em hospital nos EUA
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real CLICA AQUI

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – A variante ômicron do coronavírus causou um aumento de atendimentos por inflamação na laringe (laringite ou laringotraqueobronquite) em crianças em um hospital pediátrico de Seattle, nos Estados Unidos.

Durante a onda de delta, entre os dias 30 de maio de 2021 e 30 de novembro, 401 crianças cuja idade média era de 2,3 anos passaram por atendimento no centro médico, das quais apenas seis (2,8%) tiveram caso confirmado por Covid-19 (205 foram descartados e 190 não foram testados).

Já entre os dias 1 de dezembro de 2021 e 15 de janeiro de 2022, período de disseminação da ômicron, foram 107 atendimentos, dos quais 27 (48,2%) foram confirmados como causa principal a infecção pelo coronavírus. Do restante, 29 foram descartados como sendo por Covid e 51 não foram testados. No período, a prevalência da variante nos EUA chegou a quase 100% de todas as amostras sequenciadas.

A taxa mensal de atendimentos de laringotraqueobronquite, também conhecida como crupe, dobrou no último mês no centro hospitalar, passando de dois para cinco atendimentos até o último dia 15. A idade média das crianças atendidas no início do ano foi similar, de 2,25 anos.

O crupe tem como principal causa o vírus parainfluenza, mas os pesquisadores do Hospital Pediátrico de Seattle viram um decréscimo nas últimas semanas dos casos de crupe causados por esse vírus.

Os principais sintomas são dificuldade em respirar, rouquidão e tosse de “cachorro”. A infecção geralmente começa com sinais parecidos ao de gripe ou resfriado, com tosse e febre baixa.

Crianças de 1 a 6 anos são especialmente sujeitas a essa enfermidade, que também pode ser causada por bactéria. O tratamento é geralmente feito com medicamentos como corticoides e epinefrina para diminuir a reação inflamatória nas vias aéreas.

Muitos casos de crupe, no entanto, não são testados para um agente infeccioso, por isso a discrepância entre os casos confirmados e aqueles não detectados nos dois períodos. No estudo, que foi publicado na plataforma de pré-prints medRxiv (ainda sem revisão por pares), os autores afirmam que após o dia 15 de janeiro o hospital mudou o protocolo para testagem contra Covid e gripe devido à escassez de insumos e, por isso, não foi possível continuar investigando a causa dos atendimentos hospitalares.

A hospitalização de crianças com menos de 5 anos com sintomas de gripe ou Covid, no entanto, aumentou no início de 2022 chegando ao pico desde o início da pandemia, segundo dados divulgados Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) americano.

No dia 8 de janeiro, hospitais dos EUA registraram 239 casos de internação por Covid em crianças de 0 a 4 anos, o maior número desde o início da pandemia. No dia 27 de novembro, antes da onda da ômicron, o país registrou 46 internações pediátricas.

No Brasil, o maior hospital pediátrico de SP viu um salto de casos graves de Covid em crianças saudáveis no último mês. Além do aumento em casos graves, os atendimentos hospitalares de crianças com menos de 5 anos explodiram também no Hospital Sabará, zona oeste de São Paulo.

Muitas crianças, ainda, desenvolvem sequelas de Covid até três meses depois da infecção. Segundo o pediatra e diretor da Sbim (Sociedade Brasileira de Imunizações), Renato Kfouri, a faixa etária de 0 a 2 anos é a que apresenta o maior risco de hospitalização e morte em relação à faixa de 2 a 11.

No país, crianças de 5 a 11 anos já podem receber os imunizantes contra Covid, mas aquelas com menos de 5 anos ainda devem aguardar para ter uma vacina aprovada.

Na última semana, a farmacêutica Pfizer entrou com um pedido para autorização para uso emergencial de sua vacina pediátrica na faixa de 0 a 4 anos nos Estados Unidos. Apesar do pedido, os ensaios da empresa com duas doses com um décimo da dose de adultos não apresentaram os resultados esperados de proteção.

De acordo com a farmacêutica, que está agora testando uma terceira dose da vacina ou uma combinação de duas doses com 3µg e uma terceira dose de 10µg (equivalente à dose aplicada em crianças de 5 a 11 anos), a solicitação foi feita mesmo com os estudos em andamento para acelerar o processo regulatório quando e se os testes forem satisfatórios.

Comentários