Conexão MT

Notícias de Mato Grosso e do Mundo

Pesquisas não conclusivas indicam que BA.2 pode ser mais virulenta, diz OMS

Pesquisas não conclusivas indicam que BA.2 pode ser mais virulenta, diz OMS
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real CLICA AQUI

Líder técnica da covid-19 na Organização Mundial de Saúde (OMS), Maria Van Kerkhove disse nesta terça-feira, 8, que algumas pesquisas apontam que a sublinhagem BA.2 da variante Ômicron da covid-19 pode ser mais virulenta que a BA.1, porém notou que isso não é algo conclusivo até o momento. Durante sessão de perguntas e respostas sobre o tema, ela afirmou também que a BA.2 é “mais transmissível”.


Maria Van Kerkhove disse que a OMS monitora neste momento quatro subvariantes da Ômicron, entre elas a BA.2. A Ômicron já é classificada como variante de preocupação pela entidade, lembrou.

A autoridade rechaçou o argumento de que a covid-19 causada pela variante Ômicron possa ser caracterizada como uma “doença leve”, lembrando que há hospitalizados e mortos por essa doença.

Segundo ela, a OMS continua a estimular o uso de máscaras, sobretudo em locais fechados, mesmo para as pessoas vacinadas. Ela enfatizou que as vacinas ajudam a reduzir os riscos de internações mortes e também de contrair a doença, “mas elas não preveem 100% das infecções”.

Maria Van Kerkhove ainda advertiu que “ainda estamos em uma situação muito perigosa na pandemia”.

Ela disse que esse quadro não durará para sempre e que a pandemia acabará, mas a velocidade com que isso ocorrerá “depende de nós”. E ressaltou a importância de se ampliar a cobertura vacinal em todos os países pelo mundo, o que poderia provocar uma “redução significativa” das mortes pela doença em alguns meses. Caso contrário, a tendência é continuarem a surgir novas variantes, que podem ser mais leves, mas também mais graves, comentou.

Maria Van Kerkhove também destacou a importância de manter escolas abertas, para as crianças, e disse que há exemplos pelo mundo de instituições que, com as medidas recomendadas, como o uso de máscaras e o distanciamento social, têm conseguido funcionar mesmo na pandemia.

Comentários