Conexão MT

As Notícias se Encontram Aqui!

Técnicos do TSE rejeitam responder a consulta de governo sobre redução de combustíveis

Técnicos do TSE rejeitam responder a consulta de governo sobre redução de combustíveis
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real CLICA AQUI

Parecer técnico do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) indica que não será possível responder se é legal ou não reduzir o preço do combustível em ano eleitoral.


De acordo com o documento, o tribunal não poderia analisar a situação “em tese”, somente o caso concreto.

A Advocacia-Geral da União formalizou a consulta por temer que este tipo de benefício possa ferir a legislação eleitoral no ano em que o presidente Jair Bolsonaro (PL) busca sua reeleição. Tanto a Câmara quanto o Senado apresentaram propostas para tentar reduzir o preço da gasolina e, caso sejam aprovadas, precisarão da sanção presidencial.

A consulta foi distribuída para o ministro Carlos Horbach, que já encaminhou para a Procuradoria-Geral Eleitoral se manifestar. Horbarch pode não seguir a recomendação técnica e proferir voto em outro sentido. Além disso, o caso ainda vai a julgamento e a decisão será formada pela maioria dos ministros.

Na Câmara, foi protocolada pelo deputado governista Christino Áureo (PP-RJ) uma PEC (Proposta de Emenda à Constituição) com aval do Planalto.

Já no Senado, surgiu uma outra, apelidada de “PEC Kamikaze” pela equipe econômica. Ela contou com o apoio de ministros do governo e do senador e filho do presidente, Flávio Bolsonaro (PL-RJ).

No último dia 14, os ministros Ciro Nogueira (Casa Civil) e Bruno Bianco (AGU), acompanhados dos presidentes da Câmara e do Senado, Arthur Lira (PP-AL) e Rodrigo Pacheco (PSD-MG), tiveram audiência virtual com ministros do TSE Edson Fachin, Luís Roberto Barroso e Alexandre de Moraes para anunciar a formalização da consulta.

A consulta se torna ainda mais relevante com invasão da Ucrânia pela Rússia .

Como o jornal Folha de S.Paulo revelou nesta quinta-feira, ​a equipe do ministro Paulo Guedes (Economia) teme que o avanço nos preços internacionais do petróleo, devido à guerra, intensifique a busca de Bolsonaro e do Congresso por “medidas heroicas” para tentar segurar os preços dos combustíveis -mas que, na prática, não funcionam.

O time monitora com atenção o risco de o conflito prejudicar a economia global e afetar indicadores de atividade e inflação, embora considere ser ainda prematuro tirar qualquer conclusão.

Comentários