Conexão MT

Notícias de Mato Grosso e do Mundo

Ricardo Nunes vê projetos habitacionais como antídotos anti-Boulos para eleição de 2024

Ricardo Nunes vê projetos habitacionais como antídotos anti-Boulos para eleição de 2024
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real CLICA AQUI

(FOLHAPRESS) – Os recentes anúncios na área de Habitação por parte do prefeito de São Paulo, Ricardo Nunes (MDB), têm implicações eleitorais.


Aliados dizem que o emedebista comenta que as realizações habitacionais planejadas por sua gestão serão trunfos na disputa eleitoral com Guilherme Boulos (PSOL), cuja atuação está centrada na luta pela moradia. Na sexta-feira (25), o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) lançou a candidatura de Boulos para 2024.

Procurado pelo Painel, Nunes disse que não é o momento de falar em eleições de 2024 e que elas não estão em sua pauta.
Em um dos projetos de maior impacto, a prefeitura prevê a compra de 45 mil imóveis populares até o final de 2024, com investimento de cerca de R$ 8 bilhões. Cada unidade deve ter o preço de avaliação entre R$ 180 mil e R$ 200 mil.

Entre os requisitos mínimos, as moradias devem estar localizadas na capital e ter entre 32 metros quadrados e 70 metros quadrados, com pelo menos dois quartos e um banheiro.

No começo do mês, Nunes também entregou cartas de crédito habitacional para 1.202 mulheres vítimas de violência.

“É fumaça. Ele prometeu moradia, e isso qualquer um com boca pode fazer. Outra coisa é fazer moradia, e até agora não se viu nada, nenhuma unidade habitacional construída”, diz Boulos, líder do Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto.
Ele critica o modelo de compra de unidades habitacionais da iniciativa privada.

“Tem unidades já com projeto aprovado. Você tem unidade para construir com custo muito mais baixo para atender a demanda que precisa, com alvará de obra, e que eles não estão fazendo. Comprar unidade da iniciativa privada a custo mais alto do que a construção de novas unidades me parece uma coisa esquisita”, completa.​

Comentários