Conexão MT

Notícias de Mato Grosso e do Mundo

União repassa glebas Divisa e Maicá para MT

d2f34adee81e122f3ac53465978ae2716241d5395eb82
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real CLICA AQUI

Deputado Dilmar Dal Bosco em reunião sobre a regularização das Glebas Divisa e Maica

Foto:
DANIEL MENEGUINI / ASSESSORIA DE GABINETE

Deputado Dilmar Dal Bosco, participa do da assinatura do Decreto oficial do recebimento das Glebas da União para o Estado

Foto:
DANIEL MENEGUINI / ASSESSORIA DE GABINETE

Após anos de luta para a liberação de títulos de regularização fundiária das glebas Cristalino/Divisa, no município de Novo Mundo, e Maicá, em Marcelândia, chegou ao fim, na última quinta-feira (24), com o anúncio do governador Mauro Mendes; do presidente do Instituto de Terras de Mato Grosso (Intermat), Francisco Serafim de Barros; do chefe da Casa Civil, Mauro Carvalho, e do deputado estadual Dilmar Dal Bosco (União), que assinaram o decreto oficial do recebimento das glebas, pela União, para Mato Grosso.

A gleba Divisa/Cristalino, possui uma área total de 300 mil hectares entre os municípios de Novo Mundo, Matupá e Peixoto de Azevedo. Já a gleba Maicá possui uma área de 1,2 milhão de hectares e fica entre os municípios de Marcelândia e União do Sul.

Deputado Dilmar Dal Bosco explicou que a luta é de longa data e que um decreto já existia de anos anteriores, porém nenhum governador teve coragem de resolver. “Agradecer muito ao governador Mauro Mendes, juntamente com o senador Jayme Campos, os deputados federais Juarez Costa e Neri Gueller, o secretário-chefe da Casa Civil, Mauro Carvalho, que lá em 2019, quando foram a Brasília, em conversa com o ministro Onix Lorenzoni e o presidente nacional do Incra, sobre o novo decreto do presidente Jair Bolsonaro, hoje, vemos o resultado. Agora, o governo do estado assina um decreto dando a segurança jurídica a muitos pequenos produtores e assim resolvemos um problema gravíssimo, de anos, trazendo para o estado e dando condições das pessoas regularizarem suas terras”, disse Dilmar.

O parlamentar ainda parabenizou os prefeitos de Novo Mundo, Antônio Mafini; de Marcelândia, Celso Padovani; de Matupá, Bruno Mena; de Nova Guarita, Zeca Zamoner, que incansavelmente cobraram para uma solução. “Agradecer aos prefeitos das cidades envolvidas que, diariamente, me cobravam para que esse impasse fosse resolvido e nós, juntamente com o governador Mauro Mendes e toda sua equipe, estamos resolvendo uma situação que perdura por mais de 35 anos”, finalizou Dilmar.

Governador Mauro Mendes determinou a solução desse impasse junto ao Intermat e salientou que são cerca 500 mil hectares de áreas que foram repassados pelo governo federal ao Estado de Mato Grosso. “Depois de aproximadamente 40 anos, nós conseguimos trazer para Mato Grosso a responsabilização dessa regularização, que estava com a União. Como a atual estrutura do Intermat é positiva, temos condições de resolver o impasse e colocar um ponto final nessa história”, declarou o governador Mauro Mendes.

Presidente do Intermat, Francisco Serafim Barros, disse que o governador Mauro Mendes determinou a resolução desse problema o mais rápido possível. “Precisamos dar toda segurança jurídica aos proprietários dessas terras, que terão os títulos definitivos registrados em cartórios da sua propriedade. Nós estamos trabalhando graças ao apoio que o governador Mauro Mendes ofereceu ao Intermat, dando condições para que nossos servidores possam realizar todo processo de regularização”, disse Serafim.

Prefeito de Marcelândia, Celso Padovani comentou que a segurança que os proprietários passaram a ter afeta automaticamente o município, com mais investimento e renda. “O agro  chegou forte na nossa região e os pequenos e médios agricultores, com documento regularizado, vão a uma agência bancária buscar financiamento para que seja aplicado dentro da sua terra, buscando mais gente para trabalhar, gastando mais no município, gerando emprego e renda”, finalizou Padovani.

Comentários