Conexão MT

Notícias de Mato Grosso e do Mundo

Unicef: crianças e adolescentes foram os mais atingidos por pandemia

Unicef: crianças e adolescentes foram os mais atingidos por pandemia
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real CLICA AQUI

Crianças e adolescentes foram os que mais sofreram os impactos econômicos da pandemia no mundo. Segundo estimativas do Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância), 100 milhões de crianças entraram para a pobreza monetária, definição do Banco Mundial para aqueles que vivem com menos de US$ 5,50 por dia.

Um estudo do Unicef aponta que no Brasil, o auxílio emergencial distribuído em 2020 conseguiu melhorar a vida desse público, mas apenas de forma temporária. Meninas e meninos não-brancos que vivem nas regiões Norte e Nordeste eram e seguem sendo os mais afetados pela renda insuficiente, em comparação com brancos e com as demais regiões do país.

Durante o terceiro trimestre de 2020, com a distribuição do benefício de R$ 600, a pobreza monetária infantil chegou a cair 5 pontos percentuais, mas já nos três meses seguintes, com a redução do valor, já havia recuperado 4 pontos. No mesmo período, a pobreza monetária extrema, ou seja pessoas que vivem com menos de US$ 2 dólares por dia, saiu de 12% para 6% e no quarto trimestre de 2020, voltou para 10%.

Após suspensões e retorno do auxilio em 2021, ainda que com o valor menor, os níveis de insuficiência de renda de crianças e adolescentes voltaram a cair, porém em menor escala. O estudo do Unicef recomenda que o novo programa de transferência de renda, o Auxílio Brasil, ofereça a proteção adequada no longo prazo para essa parcela da população. Entre elas, indica a necessidade de se garantir fontes sustentáveis e contínuas de financiamento e correção dos valores dos benefícios de modo a evitar perdas por conta da inflação.

A análise também afirma que é preciso garantir mecanismos de expansão da cobertura assistencial em situações de emergência ou calamidade pública.

Comentários