Conexão MT

Notícias de Mato Grosso e do Mundo

Eleições 2022: Entorno de Bolsonaro vê pouco impacto em desistência de Doria

Eleições 2022: Entorno de Bolsonaro vê pouco impacto em desistência de Doria
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real CLICA AQUI

O entorno do presidente Jair Bolsonaro (PL) descarta que a saída do ex-governador de São Paulo João Doria (PSDB) da corrida presidencial terá impacto político significativo na disputa. Com a fraqueza do tucano nas pesquisas de intenção de voto, interlocutores do Palácio do Planalto veem dificuldade da senadora Simone Tebet (MDB) assimilar totalmente o eleitorado de Doria e apostam na cristalização da polarização entre Bolsonaro e o pré-candidato do PT, Luiz Inácio Lula da Silva.

Doria retirou sua pré-candidatura à Presidência da República nesta tarde em meio à resistência do comando do PSDB em indicá-lo. A cúpula do partido aposta no apoio a Simone Tebet para aumentar a viabilidade da terceira via.

Na avaliação do vice-presidente do PL, deputado Capitão Augusto (SP), o segundo turno “já está definido” – e com Bolsonaro e Lula na disputa. “Não muda nada. Todo mundo já sabia que Doria iria desistir”, afirmou ao Broadcast Político.

Um ministro de Estado que integra o QG da campanha à reeleição resumiu à reportagem o efeito da desistência de Doria na disputa pela Presidência, na sua leitura política, em uma palavra: nenhum. Sob a condição de anonimato, a mesma fonte lembra que o ex-governador paulista nunca chegou perto dos dois dígitos em pesquisas eleitorais.

Um outro dirigente da legenda de Bolsonaro diz acreditar que a intenção de voto de Doria deve ser diluída entre os demais candidatos, sem um impacto positivo direto como a desistência do ex-ministro Sergio Moro (União Brasil) representou para a campanha do chefe do Executivo. “A saída de Doria traz a incerteza e a desesperança da terceira via. Já está no inconsciente coletivo que neste ano só há duas opções, Bolsonaro e Lula”, afirma o dirigente, que participa das articulações do PL.


Comentários