Conexão MT

Notícias de Mato Grosso e do Mundo

Oferta de trigo e milho encolherão com clima ameaçando safras dos EUA

Oferta de trigo e milho encolherão com clima ameaçando safras dos EUA
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real CLICA AQUI

TRIGO E MILHO- FOTO SITE SINDUSTRIGO

A oferta de soja permanecerá ainda apertada em meio à crescente demanda dos setores de exportação, biocombustíveis e processamento.

 A oferta de trigo e milho dos Estados Unidos deve cair no próximo ano, apertando ainda mais o já estreito balanço de grãos do mundo criado pela escassez nas safras e pela invasão russa da Ucrânia, disse o governo americano hoje (12).

 Uma colheita recorde de soja nos EUA proporcionará algum alívio à escassez global de oleaginosas, já que os preços dos alimentos atingiram altas históricas em fevereiro e março, segundo a agência de alimentos da ONU.

 Mas a oferta de soja permanecerá ainda apertada em meio à crescente demanda dos setores de exportação, biocombustíveis e processamento, disse o USDA (Departamento de Agricultura dos EUA) em seu relatório mensal de estimativas de oferta e demanda agrícola mundial.

 A produção de soja para o ano comercial de 2022/23, que termina em 31 de agosto, foi estimada em 4,64 bilhões de bushels.

 A perspectiva se compara com as expectativas do mercado de 4,613 bilhões de bushels. Na safra 2021/22, a produção de soja dos EUA totalizou 4,435 bilhões de bushels, a maior até o momento.

O governo também projetou que a produção de milho dos EUA cairia 4,3%, para 14,46 bilhões de bushels em 2022. A projeção ficou abaixo da estimativa de fevereiro de 15,24 bilhões e abaixo das expectativas do mercado de 14,773 bilhões.

 “Vai ser um verão volátil. Os mercados climáticos serão desproporcionais”, disse Craig Turner, corretor agrícola sênior da Daniels Trading.

 O USDA disse que o clima frio e úmido que atrasou o plantio deste ano no Meio-Oeste dos EUA reduziu as perspectivas de rendimento para a safra de milho (Reuters, 12/5/22)

Comentários