Conexão MT

Notícias de Mato Grosso e do Mundo

Pesquisadores desenvolvem queijo para doença crônica no intestino

Pesquisadores desenvolvem queijo para doença crônica no intestino
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real CLICA AQUI

Um queijo com probiótico capaz de melhorar a qualidade de vida de quem tem uma doença crônica no intestino é a nova descoberta de pesquisadores da UFMG, vinculados ao Laboratório de Genética Celular e Molecular do Instituto de Ciências Biológicas.

O trabalho conduzido pela bióloga Bárbara Cordeiro e orientado pelo coordenador do laboratório Vasco Azevedo já ganhou um prêmio do programa de pós-graduação em inovação tecnológica da UFMG no ano passado, está indicado ao prêmio CAPES de teses e ao grande prêmio UFMG de teses para este ano.

Segundo o professor Vasco Azevedo, só quem tem a colite ulcerativa sabe a importância desse tipo de ajuda.

De acordo com o pesquisador, os testes do queijo ricota funcional foram feitos em camundongos e o estudo não pôde ser ampliado para a fase em humanos por falta de financiamento. Agora a intenção é conseguir a parceria de uma empresa que viabilize o produto e permita o acompanhamento dos resultados.

Ainda segundo o coordenador do Laboratório de Genética Celular e Molecular da UFMG, apesar de não ter sido testado em humanos, o queijo ricota enriquecido com bactéria probiótica já tem segurança comprovada para o consumo.


Comentários