Conexão MT

As Notícias se Encontram Aqui!

Rodovias precárias tiram competitividade dos grãos no Arco Norte

Rodovias precárias tiram competitividade dos grãos no Arco Norte
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real CLICA AQUI

RODOVIAS DO ACRE Foto Reprodução g1 Rede Amazônica Acre Arquivo 

 A Abiove citou dados da Confederação Nacional do Transporte (CNT), que apontaram que 73% das rodovias sob administração pública mostraram irregularidades. A divulgação ocorre em momento em que os embarques de soja dão indicações de menor ritmo devido à sazonalidade

   A precariedade de rodovias no Arco Norte do Brasil, importante corredor de exportação de soja e milho do país, diminui a competitividade dos grãos escoados por essa área, afirmou a Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove), ao divulgar um levantamento dos pontos mais críticos para o tráfego.

 O estudo, realizado em parceria com as áreas de logística e transporte de suas associadas, incluindo as principais tradings e processadoras de grãos, indicou “muitos pontos em condições precárias, tanto nas federais quanto nas estaduais”, e pediu ação do poder público para a conservação e melhoria das vias.

 O relatório, produzido a partir de inspeções mensais realizadas entre fevereiro e maio, contemplou eixos importantes para o escoamento de grãos: a BR-163, a BR-158 e o trecho da PA-287/TO-335 que liga o Pará até o pátio ferroviário de Palmeirante (TO).

 “Sem boas condições, o frete aumenta, a produtividade obtida até o embarque se perde, as empresas não conseguem se planejar e a competitividade é diluída. O resultado disso tudo é que o desenvolvimento regional fica aquém do potencial”, disse o economista-chefe da Abiove, Daniel Furlan Amaral, em nota.

 Ele lembrou que o Arco Norte é fundamental para o escoamento da safra brasileira, uma vez que encurta as distâncias das áreas produtoras do centro-norte até os portos do Sul/Sudeste.

 A divulgação ocorre em momento em que os embarques de soja dão indicações de menor ritmo devido à sazonalidade, que concentra os maiores volumes no primeiro semestre, enquanto ganha força a temporada de exportação de milho.

 A Abiove citou dados da Confederação Nacional do Transporte (CNT), que apontaram que 73% das rodovias sob administração pública mostraram irregularidades, acarretando um acréscimo estimado de 35,2% nos custos operacionais.

 “Em média, quando um caminhão roda em uma via de qualidade regular, o valor aumenta em 41%. Em condições ruins 65,6%, e em péssimas condições o valor quase dobra, chegando a 91,5%”, disse a Abiove, em momento em que o país lida para garantir o abastecimento de diesel no exterior, com o mercado global mais apertado pelo impacto da guerra no Leste Europeu.

 O relatório destacou a importância da alocação de recursos públicos para a manutenção das rodovias e a competitividade da economia brasileira, “bem como para a redução do consumo de combustíveis e de indicadores de acidentes”.

 A associação disse que o levantamento identificou trajetos não asfaltados e inúmeros com asfalto esburacado, que degrada pneus, encarece a manutenção dos veículos e dificulta a trafegabilidade, aumentando o consumo de combustível e o tempo de viagem.

  “Há, também, ausência de acostamento e terceira faixa em algumas partes que, somada à profundidade dos buracos, torna o trânsito perigoso, gerando riscos de acidentes que poderiam ser evitados com investimentos na pavimentação, sinalização e geometria das rodovias.”

 Na BR-158, por exemplo, em épocas de chuva são registrados atoleiros, como na localidade entre o entroncamento do “Luizinho” e Alto da Boa Vista.

 A BR-163 também apresenta inúmeros obstáculos, disse a associação sobre a chamada Rodovia da Soja.

 “Alguns pontos com grande movimentação não possuem terceira faixa e acostamento, como entre Jangada e Posto Gil. Mesmo as pistas duplicadas já mostram sinais de necessidade de manutenção. São muitos buracos em curvas, no início dos morros e em locais de baixa visibilidade” (Reuters, 29/6/22)

Comentários