Conexão MT

As Notícias se Encontram Aqui!

Barroso prorroga em 60 dias apuração contra Bolsonaro por CPI da Covid

Barroso prorroga em 60 dias apuração contra Bolsonaro por CPI da Covid
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real CLICA AQUI

SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) – O ministro Luís Roberto Barroso, do STF (Supremo Tribunal Federal), prorrogou em 60 dias a investigação gerada pela CPI da Covid que acusa o presidente Jair Bolsonaro (PL) e seus aliados de incitação ao crime durante a pandemia do novo coronavírus.


O pedido para que as apurações fossem prolongadas partiu da PF (Polícia Federal) e contou com a aprovação da PGR (Procuradoria-Geral da República).

A PGR, porém, queria que as investigações fossem prorrogadas em 90 dias. O período havia sido solicitado pela vice-procuradora Lindôra Araújo.

Além de Bolsonaro, também são alvos do inquérito o senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ); os deputados federais Eduardo Bolsonaro (PL-SP), Ricardo Barros (PP-PR), Carla Zambelli (PL-SP) e Bia Kicis (PL-DF); o vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ); e os ex-ministros Onyx Lorenzoni, Osmar Terra e Ernesto Araújo.

Também estão na lista de investigados o blogueiro Allan dos Santos e os empresários Carlos Wizard e Luciano Hang, dono da rede de lojas Havan.

Com seus trabalhos finalizados em outubro do ano passado, a CPI da Covid sugeriu que Bolsonaro fosse investigado por 10 crimes.

Na parte em que atribuiu a prática de incitação ao crime a Bolsonaro, o relator da comissão, o senador Renan Calheiros (MDB-AL), disse que o presidente incitou a população a desrespeitar ordens do poder público.

“Ao estimular a população a se aglomerar, a não usar máscara e a não se vacinar (conduta reiterada em inúmeras manifestações públicas, nas ruas e nas redes sociais), o presidente da República incitou as pessoas a infringirem determinação do poder público destinada a impedir a propagação de doença contagiosa”, afirmou o parlamentar em seu relatório.

O texto ainda citou que Bolsonaro teria praticado o crime por meio de fake news e ao incentivar, em live no Facebook, pessoas a invadirem e filmarem hospitais para mostrar leitos eventualmente vazios. Dessa forma, diz o relatório, Bolsonaro “incitou a prática de invasão de domicílio e de colocação de pessoas em perigo de vida”.

Comentários