Conexão MT

As Notícias se Encontram Aqui!

Guerra de sanções: enquanto UE se prepara para nova rodada de restrições, Rússia sanciona Canadá

24946684
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Entre em nosso grupo de WhatsApp e receba notícias em tempo real CLICA AQUI

A Comissão Europeia deve apresentar uma proposta escrita com medidas restritivas contra Moscou aos líderes dos países da UE, que pode ser aprovada na sua reunião em Praga de 6 e 7 de outubro, segundo a agência de notícias.
Fontes da UE disseram que o bloco está considerando introduzir um teto de preços para o petróleo russo, restringir ainda mais as exportações de alta tecnologia da UE para a Rússia e aplicar mais medidas contra indivíduos russos.
A Polônia e os Países Bálticos estão pedindo o confisco de ativos russos congelados, mas é improvável que a ideia receba apoio unânime da UE, segundo a Reuters.
Prédio do Departamento do Tesouro, em Washington, nos EUA, em 4 de maio de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 22.09.2022

Reciprocidade

Por sua vez, Moscou proibiu 87 cidadãos canadenses de entrar na Rússia em resposta às sanções de Ottawa, disse o Ministério das Relações Exteriores da Rússia nesta quinta-feira.
“Em resposta às sanções contra a Rússia periodicamente impostas pelo regime de Justin Trudeau no Canadá, que afetaram funcionários do governo de todos os níveis, incluindo regionais, jornalistas, figuras culturais e russos comuns inconvenientes para o governo, a entrada na Rússia está fechada para 87 cidadãos canadenses”, disse o ministério em comunicado.
Entre eles estão dirigentes provinciais canadenses, militares, chefes de empresas que fornecem armas e tecnologias de uso duplo ao regime neonazista de Kiev e ativistas de estruturas pró-Bandera”, disse.
“Tendo em conta que a lista de sanções canadenses, aparentemente, se expandirá, novos anúncios se seguirão do lado russo sobre a lista de cidadãos canadenses. Partimos do princípio da reciprocidade”, concluiu o ministério.
A expectativa é que Moscou mantenha a política de reciprocidade com Estados hostis que desde o início de sua operação militar especial na Ucrânia acentuam o conflito ao enviar armas para Kiev ao invés de buscar por uma solução diplomática.
Comentários